Projeto Canción

terça-feira, agosto 21, 2007

Um velho sonho e uma mochila

Não sei desde quando tenho essa vontade de viajar. Acho que desde sempre. Lembro que quando criança eu queria muito ver neve e conhecer o Egito. Lá pelos 13 anos queria ir estudar num colégio interno com umas amigas em Maringá. Meus pais não deixaram. Mais tarde, a onda era fazer intercâmbio. Minha mãe decidiu que receberíamos uma intercambista antes, para saber como era. E no ano 2000 chegou a Emma, da Austrália, que ficou um ano com agente. Foi tão legal que até meu pai gostou. Falou em recebermos uma italiana. E em julho de 2001 foi a vez da Valentina, ela passou seis meses na nossa casa.
Acabei desistindo do intercâmbio. Não sei, me pareceu meio parado, ficar um ano em uma casa de família. Decidi adiar, mas sempre cogitando possibilidades, fazendo possíveis planos. Pensava muito na Itália, na Grécia – sonhos europeus.
Vim para Curitiba estudar Comunicação Social, e conheci o Thiago. Desde nossos primeiros momentos juntos fazíamos planos de viagem – não sabíamos muito bem para onde, como e por quê; era simplesmente uma vontade de se aventurar pelo mundo. Trabalhamos no Banco do Brasil para juntar dinheiro. Passamos no concurso meio sem saber o que estávamos fazendo, quando vimos estávamos dentro de uma agência. Foi horrível, definitivamente um trabalho que não combina com nenhum de nós dois (na verdade verdadeira, acho que não combina com ninguém). Trabalhei seis meses, o Thiago onze.
Eu estava fazendo curso de italiano e procurando alguma bolsa na Itália. O Thiago pensava em viajar um pouco por países latinoamericanos e depois me encontrar na Europa para mochilarmos juntos. Até que um dia caiu na minha mão uma edição especial da revista Caros Amigos sobre Che Guevara. Surgiu dentro de mim uma vontade imensa de conhecer a América Latina. Nós dois, conversando, descobrimos uma maneira de viajar e ainda fazer o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso).
Claro! Faríamos nosso trabalho na viagem. Já tínhamos um motivo: “Olha mãe, tô indo viajar pela América Latina”. “Como assim, minha filha?!” “Não mãe, fica sossegada, vou fazer meu TCC. Vai ser um ensaio fotográfico sobre o músico latinoamericano.” Pronto. Atendidas as normas de segurança social, era hora de pensar objetivamente na viagem – por onde começar, quando começar e por onde seguir.
Falando desse jeito parece que foi tudo planejado – “ah, vamos fazer o TCC pra ninguém encher o saco”. Mas não foi. Acho que quem mais precisava dessa segurança de que estaríamos fazendo alguma coisa “séria” éramos nós mesmos.
Compramos máquinas fotográficas usadas de boa qualidade, filmes, mochila, saco de dormir, isolante, barraca, entre muitas coisas mais. Pensávamos que a grana que tínhamos não seria suficiente para percorrer tudo o que pretendíamos, por isso o Thiago começou a aprender artesanato. Aliás, megalomaníacos! A idéia era sair pelo Paraguai, passar por Argentina, Chile, Bolívia, Perú, Colômbia, subir a América Central e chegar até Cuba. E não acabava por aí. Na volta passaríamos pela Venezuela, Guianas, Suriname e Brasil, até chegar de volta ao sul. Tudo isso em um ano, que foi o prazo que cumprimos para voltar e terminar a faculdade.
E assim foi até que roubaram minha mochila onde estavam o cartão de crédito e minha máquina fotográfica. Alguns males realmente vêm para o bem. Esse episódio nos fez repensar – afinal, o que estávamos fazendo? O TCC foi uma invenção. Nós saímos do Brasil com um conhecimento rudimentar de foto, estávamos aprendendo tudo na prática. Além do mais, não estávamos nos dedicando ao estudo dos músicos. E, sem o cartão de crédito, a única maneira que encontrei para sacar dinheiro era através da Western Union, que cobra uma taxa altíssima pelo serviço. Foi aí que jogamos tudo para o ar: decidimos viver só da grana que conseguíssemos trabalhando, eu também comecei a me dedicar ao artesanato, e a utopia de chegar a Cuba caiu por água abaixo. Ficaríamos o quanto desejássemos onde desejássemos. E assim ficamos três meses na Bolívia. Um outro ritmo, um outro propósito - uma nova viagem.



Mi

2 Comentários:

Às 5:02 PM , Blogger Aline disse...

oi Mi,
Li o seu blog, dizendo que chegastes bem, que bom. Como estão as meninas? Que bom que nos vimos um pouquinho aqui em São Paulo né?Fiquei super contente. Sai esses dias com sua irmã, ai ela é muito fofa!!!!
vou ver se me planejo para ir em setembro para o sítio ok? Estou com saudades, vai ser um retiro muito bom para mim.
beijos

 
Às 3:40 PM , Anonymous Anônimo disse...

oi michele,

nao te conheco, mas li o blog. e esse lance da viagem pela AL eh muito legal. eu passei pelo mesmo. comeca turista e acaba artesano. macramé, trico, croche e mais um monte de coisa. uma lição de vida mesmo.

e agora que a gente voltou, o que faz? li seu blog por conta de uma busca com a palavra chave permacultura.

e assim vamos neh? um prazer escrever-te.

felicidades,

Diogo
diogojorge@yahoo.com

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial